Herói

z

Aquaman

Arthur Curry Jr. é um dos heróis mais antigos da editora. Ele foi criado pelo artista Paul Norris e pelo roteirista Mort Weisinger surgindo na revista More Fun Comics # 73, de 1941.

Eu já li diversas vezes na web que o Namor é uma cópia do Aquaman. Isto está errado, pois o herói da Marvel além de ter praticamente a mesma origem surgiu dois anos antes do que Aquaman (se formos falar de plágio foi a DC quem copiou).

O herói original era filho de um cientista que após descobrir a lendária cidade de Atlântida fez experiências no seu corpo. Então depois disso Aquaman desenvolveu a capacidade de respirar embaixo d’água, sobreviver sob a pressão submarina, força sobre-humana e também se comunicar com a vida marinha (não havia nada mencionando ser rei de Atlântida).

O único fato estranho era que seu uniforme apresentava luvas amarelas e não as habituais verdes que estamos acostumados a ver, porque essas surgiram apenas na versão da Era de Prata do personagem (na qual lhe deram uma nova origem).

Assim como aconteceu diversas vezes com o Gavião Negro. O Aquaman também já teve diversas releituras durante décadas.

Pra complicar ainda temos o fato da editora dificilmente mostrar arcos de histórias irrelevantes pro herói. E infelizmente os fãs adoram jogar piadinhas quanto ao seu famoso poder de se comunicar com os peixes.

Isso está associado com sua versão mostrada no desenho dos Super Amigos, no qual todos os heróis ganharam uma versão mais infantilizada, no entanto o Aquaman sofreu de uma forma maior por demonstrarem que seu poder era importante apenas dentro d’água.

Não vou dizer que sou fã de carteirinha do Aquaman, mas notei que ao longo dos anos o personagem foi mal aproveitado pela DC Comics.

E isto acontece com diversos outros heróis tanto da Distinta Concorrente quanto da Marvel também. Isso acaba esbarrando na falta de material relevante para se adaptar numa franquia para a telona.

Não que seja impossível, porém o que poderá ser dito além do trivial?

Os roteiros de Geoff Johns com a bel arte do brasileiro Ivan Reis para este reboot são uma prova importante de que há histórias interessantes e inteligentes para contar com o “rei dos mares” (falta alguém que queira levar tal acontecimento adiante).

Bom, no desenho The Superman/Aquaman Hour of Adventure tivemos algumas aventuras com vários heróis clássicos da DC como Átomo (na verdade Eléktron), Flash, Superman, Lanterna Verde, Gavião Negro (formando uma Liga da Justiça), em 1967.

Só pra constar, todos os heróis citados acima também foram apresentados em segmentos com aventuras próprias.

Continuando, nesta versão, Aquaman sempre aparece na companhia do Aqua-Moço (Aqualad) cavalgando os cavalos-marinhos (Storm e Imp), mas também temos a rainha Mera e a morsa Tusky (são aventuras fraquinhas, porém fizeram a alegria da criançada naquela época).

Depois veio a famosa produção da Hanna-Barbera que marcou várias gerações de crianças mundo afora (eu fui uma delas). Em Super Amigos tivemos diversas formações de heróis baseada na Liga da Justiça. A melhor de todas as temporadas do desenho ficou pra última The Super Powers Team: Galactic Guardians.

Quando tínhamos mais elementos que nos lembravam os gibis, o principal vilão era o Darkseid junto com seu filho Kalibak e o puxa-saco do Desaad e a equipe tinha como integrantes os novatos Nuclear e Ciborgue.

Na terceira temporada do Superman: A Série Animada temos uma participação do herói (não lembro do nome deste episódio). É quando Lex Luthor faz experiências com os seres marinhos e seus cientistas capturam tanto o Aquaman quanto a Lois. Superman precisa ajudar ao Aquaman antes que aconteça uma guerra entre a Terra e a cidade de Atlântida.

Neste desenho parece que misturaram a versão que havia nos anos 90 com a original que caçava pescadores ou seres humanos que poluíam os oceanos.

Pra mim a melhor versão do herói foi apresentada no excelente e memorável desenho da Liga da Justiça, mas deixaram ele de fora da formação original da equipe. Preferindo colocar a Mulher-Gavião e o Lanterna Verde (John Stewart).

Desta vez sua personalidade ficou mais arrogante do que nunca e se auto-proclama como soberano dos mares. O que me deixou bolado foi ter retirado a mão pra salvar seu filho (sem pestanejar).

Este fato também aconteceu nos gibis de uma forma bastante diferente. Aquaman perdeu a mão quando enfrentou o vilão Charybdis que conseguiu imitar o poder do herói de se comunicar com a vida marinha (colocando-a num lago cheio de piranhas).

Em Batman: Os Bravos e os Destemidos deixaram-no mais engraçado, pois ele fala pra caramba sendo geralmente sobre alguma aventura protagonizada por ele mesmo (e deixando qualquer um maluco ao ouvir essas histórias).

O que ficou interessante e até surreal é que o Mestre dos Oceanos, um dos seus maiores inimigos e também seu irmão. Vive tentando mata-lo pra se apoderar do trono, mas Arthur sempre o perdoa.

Em Smallville tivemos diversas aparições de personagens dos gibis da DC e o ator Alan Ritchson foi quem interpretou o herói. Aquaman surgiu durante a quinta temporada e teve até um curto romance com Lois Lane (Erica Durance).

Devido a sua crescente popularidade os produtores tiveram a ideia de fazer uma série só do herói, mas o projeto foi cancelado e ficou apenas no episódio-piloto.

No desenho, Justiça Jovem foi apresentada uma releitura pros Novos Titãs e também temos a presença de praticamente toda Liga da Justiça.  Aqui os assistentes Robin, Ricardito, Impulso e Aqualad se desentendem com seus tutores, pois acreditavam que iriam conhecer a base secreta no espaço (o famoso satélite da Liga).

Só pra lembrar, o primeiro assistente a se chamar Aqualad foi o Garth (atualmente Tempest) e desta vez o Aqualad que aparece no desenho chama-se Kaldur. Ele foi treinado pelo Aquaman e o trata como Rei Orin (uma referência ao nome do golfinho que criou o herói).

Nos gibis, durante os anos 80 (período pré-Crise) surgiu a infame Liga Detroit, pois nesta época o satélite havia sido danificado (fato que trouxe a equipe de volta pra Terra). Naquele período a Liga amargou com baixas vendas e decidiram fazer algo que despertasse um novo interesse nos leitores.

Então Aquaman virou líder, pois decidiu que os membros deveriam estar realmente comprometidos com a LJA. Nesta época tínhamos: Ajax, Homem-Elástico (Ralph  Dibny), Zatanna, Gládio (Henry Hank Heywood III), Vibro (Paco Ramone), Vixen (Mari Jiwe Macabe), e Cigana (Cindy Reynolds).

Infelizmente as histórias ruins,  a falta de sucesso e a baixa popularidade decretou o fim desta versão que ficou marcada como a pior de toda a história da equipe (o fato é que não havia nenhum herói top participando dela). A minissérie Lendas decretou o final desta Liga que sofreu uma amarga derrota pelo vilão Enxofre.

No pós-Crise tivemos a edição de A Lenda de Aquaman com arte de Curt Swan e roteiro de Keith Giffen recontando a origem do herói. É uma das melhores histórias feita com o personagem, pois consegue redefini-lo totalmente.

Além de termos uma abordagem que não deixa de lado sua origem da Era de Prata, pois temos as presenças do seu pai (Arthur Curry), a rainha Atlanna e também de Vulko (amigo e conselheiro).

O gibi mostra vida do herói desde pequeno quando foi deixado pra morrer no Coral da Clemência, passando pelo seu aprendizado com seu pai e a descoberta de sua origem com Vulko.

Temos também seu ingresso na vida heroica como membro-fundador da Liga da Justiça, sua consagração como rei de Atlântida e a perda trágica do filho (fazendo-o abandonar seu reino). Pra mim é uma aventura magnífica, pois conseguiram fazer algo que valesse a pena ler sobre o herói.

Outra história marcante que li foi Liga da Justiça: Ano Um, de 1998. Nela tivemos roteiro de Mark Waid e Brian Augustyn e a bela arte de Barry Kitson. Aqui os membros originais são: Flash, Lanterna Verde, Canário Negro 2, Aquaman e Caçador de Marte (fato que ajudou a redefinir a origem da LJA retirando Diana da equipe).

A equipe se une pra evitar a invasão da Terra por sete alienígenas do planeta Appellax. Após terem derrotados os invasores precisam se unir novamente para deter a organização criminosa Locus (que pretende usar os corpos dos alienígenas para controlar o mundo).

A parte interessante nesta abordagem é que os heróis são novatos que estão aprendendo a usar suas habilidades e precisam de repente a confiar uns nos outros para se tornarem uma equipe.

Em Ponto de Ignição, uma realidade alternativa na qual todo UDC se apresentou de forma diferente. Temos o Imperador Aquaman, aonde Nova Themyscira e Atlântida iam selar um acordo comercial. Só que Aquaman se deita com Diana e Orm arma uma conspiração para que haja uma guerra entre as nações (Mera descobre a traição sendo morta pela Mulher-Maravilha).

Eu não gosto da HQ, mas o DVD ficou excelente e recomendo pra todos que tiverem curiosidade de assistir.

O Aquaman dos Novos 52 é a melhor abordagem que fizeram com ele das que pude ler. Infelizmente confesso que não acompanhei sempre todas, porém gostei do material que pude ler.

Novamente temos a origem da Era de Prata, pois seu pai é Tom Curry e sua mãe Atlanna (aqui também o herói assume o trono como rei de Atlântida). A única coisa de diferente é que ele foi membro da equipe Os Outros, na qual enfrentou seu maior arqui-inimigo o Arraia Negra (o filho dele também torna-se seu inimigo).

Além de ser um membro-fundador da Liga da Justiça, o herói fixa moradia na Baía da Anistia junto com Mera. A abordagem dada por Geoff Johns é incrível por mexer naquele status quo do herói ser um “bucha” pros seres humanos e explica o fato dele “falar com peixes”.

Na verdade Aquaman apenas induz aos animais marinhos alguns comandos mentais, pois peixes possuem mentes primitivas e não são capazes de manter uma comunicação decente.

A arte de Ivan Reis é outro ponto alto desta abordagem, pois seu trabalho bem detalhado nos deixa a vontade durante o decorrer das aventuras.

Aquaman sofre um tipo de preconceito do povo da superfície, não é humano (é tipo mutante), não é respeitado, mas segue agindo de forma determinada protegendo aqueles que o odeiam.

Foi a melhor representação feita com o Aquaman até agora e eu espero que não mudem tão rápido. Depois do incrível lançamento do DVD Liga da Justiça: Guerra. Teremos Justice League: Throne of Atlantis, recontando a origem do herói, neste universo Novos 52. Aqui teremos o jovem Arthur Curry tentando deter uma guerra entre os seres humanos e Atlântida ao mesmo tempo em que descobre sua herança aquática.

Só pra fechar lembrei que no desenho do Bob Esponja os heróis aposentados Homem Sereia e Mexilhãozinho são uma óbvia homenagem ao Aquaman e Aqualad.

Confira na galeria abaixo algumas imagens do Aquaman que consegui garimpar

0 1.1 1 2.1 2 3 5 6-brave-and-bold 7-young-justice 8 9 10-alex-ross 11 12 13 14 15 16 17 18 19-Aquaman_Special_1989 21 22 23

Justice-League-of-America

24 alex ross ano-um aquaman_and_mera_by_colossus484 aquaman_mera_by_colossus484 aquaman-e-liga aquaman-ivan-reis blue Charybdis cinar filmation george-perez Injustice ivan-reis jla jla-detroit josé luiz garcia-lópez Justice_League_of_Atlantis justice_league_young_justice mike-mckone os-outros ponto-ignição smallville superfriends superman-animated-series thanatos The-Enemy-Below-Part-2-36 throne-of-atlantis wallpaper 1 wallpaper-alex-ross wallpaper-jla wallpaper-josé luiz garcia-lópez wallpaper-justice-by-alex-ross

Ober un evezhiadenn

Filed under Herói

Lezel ur respont

Fill in your details below or click an icon to log in:

Logo WordPress.com

Emaoc'h oc'h ober un evezhiadenn gant ho kont WordPress.com Log Out /  Kemmañ )

Google photo

Emaoc'h oc'h ober un evezhiadenn gant ho kont Google Log Out /  Kemmañ )

Skeudenn Twitter

Emaoc'h oc'h ober un evezhiadenn gant ho kont Twitter Log Out /  Kemmañ )

Luc'hskeudenn Facebook

Emaoc'h oc'h ober un evezhiadenn gant ho kont Facebook Log Out /  Kemmañ )

War gevreañ ouzh %s